O Mar a Janela

Da janela do apartamento

Joãozinho olhava o mar.

Olhava o mar e perguntava:

– Que é aquilo?

A ele respondiam:

– É o mar.

Da janela do apartamento

Joãozinho olhava o mar.

Olhava o mar e dizia:

– O mar é tão lindo.

A ele diziam:

– É… É lindo.

Da janela do apartamento

Joãozinho olhava o mar.

Olhava o mar e pedia:

– Deixa descer pra olhar o mar?

A ele respondiam:

– Não. Não pode.

Da janela do apartamento

Joãozinho olhava o mar.

Olhava o mar e perguntava:

– Posso ir pegar no mar?

A ele respondiam:

– Não. Nem pensar.

Da janela do apartamento

Joãozinho olhava o mar.

Olhava o mar e questionava:

– Por que não posso ir tomar banho no mar?

– Não. É perigoso.

Da janela do apartamento

Joãozinho olhava o mar.

Olhava o mar e definhava.

E definhava…

E definhava…

E definhava…

A janela continua lá.

O apartamento continua lá.

O mar continua lá.

Mas… E Joãozinho, cadê?

Joãozinho?

Joãozinho jaz.

Jaz sem ter sentido o mar.

Jaz sem ter pegado no mar.

Jaz sem ter tomado banho no mar.

Mas uma coisa Joãozinho fez.

Alguém disse.

Disto ninguém pode reclamar.

Continuou dizendo.

Olhou bastante para o mar

Da janela de seu apartamento.