Posted on

SOBRE MINHA TRISTEZA INTERIOR

Sabe que há dias em que não sabemos o motivo de tanta tristeza? Tudo está bem! Não estamos doentes, nem os parentes, amigos ok, vida também, trabalho leve, estudo normal. Enfim, nada aparente, nada condizente com o estado de espírito que apresentamos. E cadê a alegria? A euforia? O apetite não rola! A vontade não chega! A coisa não anda! É mesmo muito ruim. E inexplicável! Cada grupo puxará brasa para sua sardinha. Os religiosos terão suas explicações. Os naturalistas da mesma forma. E assim ateus, zens, dispersos, anexos, categorias, jovens, adultos, idosos, empregados, desocupados, todos terão um motivo, ou não, para isto. Mas vem cá, na individualidade nossa de cada dia, sempre ficamos a nos perguntar o por quê, né? Nunca aceitamos esta ou aquela explicação ou falta dela. Mesmo que tenhamos lido toda a bíblia, saibamos até passagens de cor, livros espíritas, ou de outra ordem, ensaios científicos, artigos ateístas ou filosóficos. Apelamos até para a psicologia, teologia, pedagogia, ou outra gia que seja. E nada! Volta e meia bate aquela tristeza que médico nenhum cura. Nem vontade de ir lá consultar dá. Eu estou assim agora. Triste! Nem pergunte o motivo. Acabei de dizer tanto que não sabemos, pois também não sei. Somos tão iguais! Tão diferentes! Tão singulares! Tão comuns! Humanos! Não é interessante que vivamos cada um a sua vida, dentro de um contexto, numa família X, no entanto vivamos tão semelhantemente, sintamos tão o que o outro sente, vivemos tão o que o outro vive. Amamos, somos amados ou não, traímos, somos traídos ou não, temos momentos de efusiva alegria, outros de eterna melancolia. Podemos sentar ao lado de um estranho e numa conversa vermos o quão idênticos somos, mas também o quanto distintos. Mistério! Eu acho assim muito interessante tudo isto! E me leva a pensar, pensar, pensar… Pensar muito! Sentir muito! Ficar triste também! Mas deixa lá eu curtir minha tristeza. Ela vai passar! Com certeza, e também voltará outro dia. É assim a vida, um dia atrás do outro. Tão diferentes e tão iguais!

Advertisements

About Francilangela

Sou Francilangela Clarindo, casada, mãe, temente a Deus. No mais, vou de acordo com o momento. Quando mais jovem imaginava que uma idéia era cristalizada. Assim, o que eu pensava deveria ser levado para minha vida toda. Hoje vejo que não é desta forma que as coisas acontecem. Posso tecer neste momento considerações sobre a minha pessoa que poderão ser alteradas por uma nova experiência. Amadurecer é maravilhoso no sentido de que você analisa certos aspectos tão claramente. O que era obscuro ou até totalmente despercebido passa a ter sentido. E não considero isto falta de personalidade, mas sim, a capacidade que o ser humano adquire de mudar de acordo com o que vai aprendendo. Mas, é claro, no que acredito, acredito mesmo, até que provem o contrário. Aliàs, que eu aceite o contrário porque também não é qualquer discurso que vai alterar um pensamento de forma repentina. Posso dizer agora que meus valores são Deus em primeiríssimo lugar, minha família, que amo muitíssimo e meus amigos, que adoçam minha vida. Sobre Deus quero dizer que ele me acompanha sempre. Tento fazer sempre o que lhe agrada, ou pelo menos não desagrade tanto. Sei que é difícil, mas tentar, eu tento. Muitas vezes não consigo. Minha língua difama, meu ser enraivece, meu corpo padece, mas acredito que a virtude está justamente em tentar fazer o que é correto e arrepender-se do que foi feito de errado. Mas um arrependimento que leve à conversão e não à autoflagelação ou eterno remoer de atitudes passadas. Se eu errei, errei, me arrependo, aprendo e procuro acertar na próxima. Mas, se não conseguir, volto a me arrepender, aprender e procurar acertar. É cíclico. Deus não nos quer escravos do passado e do erro. O importante é ter consciência de que não agimos bem e continuar vivendo da melhor forma possível. De outra forma podemos nos massacrar tanto que atentamos contra nossa vida nos amaldiçoando ou tendo pensamentos nocivos de nós mesmos, com depressão ou qualquer outro comportamento ou atitude que não leva a Deus, mas ao castigo que impomos a nós mesmos. Sobre a família digo que é o alicerce. Minha razão de viver. Meus pais, que me ensinaram e continuam comigo, meus irmãos, que partilham comigo essa herança familiar, meu marido, grande companheiro nas horas difíceis e meus filhos, cada um do seu jeito ilumina minha vida. Além destes, todos os outros, primos e primas, cunhados e cunhadas, tios e tias, avós e avôs, todos têm sua parcela em minha vida. E, por último, meus amigos, pessoas maravilhosas que caminham comigo em busca de viver e viver bem.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s